Vacina para a gripe, funciona?

 

A vacina da gripe gera polêmica entre os leigos devido às diversas síndromes gripais existentes, afinal nem todas estão cobertas pela vacina. A vacina quadrivalente protege contra 4 tipos e vírus causadores de gripe, duas cepas da Influenza A (H1N1 e H3N2) e duas cepas da Influenza B (todas de acordo com o vírus circulante do ano anterior). Já a vacina trivalente protege contra 3 tipos de vírus causadores de gripe, duas cepas da Influenza A (H1N1 e H3N2) e uma cepas da Influenza B (todas de acordo com o vírus circulante do ano anterior).

Fique tranquilo: a vacina da gripe não causa reação adversa grave. Em alguns casos, ela traz sintomas como dor no local da aplicação e uma leve irritação. Febre baixa também é uma possibilidade, mas nada muito além disso. Alguns pacientes pensam que a vacina pode causar um quadro gripal completo, porém essa informação não é verdadeira, porque o a vacina é produzida com o vírus inativado.

Por conta da pandemia do coronavírus, as campanhas de vacinação contra a gripe foram adiantadas. Essa vacina não protege contra a COVID-19, mas ajuda muito para que as pessoas não contraiam vírus da gripe, que além de perigoso pode se confundir com a COVID-19.

Mas qual a diferença entre gripe e resfriado? A gripe é causada pelo vírus Influenza e por qualquer um de seus subtipos. E apenas por ele. Já o resfriado comum pode ser causado por cerca de 200 vírus diferentes, mas o mais comum é o rinovírus. Outro ponto importante que diferencia um do outro são os sintomas que o indivíduo irá apresentar. Na gripe o paciente tem um comprometimento em seu estado geral, então fica mais prostrado, desanimado, querendo ficar só na cama, além de apresentar febre alta, dor de cabeça e garganta, tosse e congestão nasal. No resfriado, por sua vez, apresenta sintomas mais amenos, como espirros, nariz escorrendo e até tosse, mas sem comprometer muito o corpo.

Outro ponto que difere é o tratamento. Para o resfriado, geralmente repousar e tomar bastante líquido pode ajudar bastante. Já na gripe, alguns grupos populacionais considerados de risco e que podem desenvolver a forma mais grave da doença são candidatos a tomar a vacina contra o vírus Influenza.

 

São eles:

  • Idosos;
  • Crianças menores de 5 anos;
  • Gestantes;
  • Portadores de doenças crônicas, cardiológicas e pulmonares;
  • Pacientes imunodeprimidos, como aqueles em tratamento do câncer ou HIV.

 

Quando a gripe se complica, ela pode predispor o indivíduo a uma infecção bacteriana sobreposta, por toda a questão da baixa imunidade, pela reação inflamatória que o vírus causa nas vias aéreas superiores e inferiores, podendo surgir uma pneumonia, que necessitará de um tratamento específico, com antibióticos. E por isso a importância de se vacinar.

A vacinação protege por cerca de 8 meses o paciente da gripe, mas é importante ter em mente que os vírus sofrem mutações em sua estrutura a cada ano. Então, todos os anos a Organização Mundial de Saúde (OMS) realiza um rastreamento dos vírus que estão circulando no hemisfério norte e no hemisfério sul, e criam uma vacina específica. Por isso, é importante se vacinar todos os anos.

 

Outras armas contra os vírus da gripe e resfriado:

  • Higienização das mãos frequente, seja com água e sabão ou com o uso do álcool em gel
  • Evitar locais fechados, com muita aglomeração
  • Utilizar lenço descartável para assoar o nariz
  • Evitar compartilhar utensílios individuais, como talheres e copo
  • Cobrir a boca e nariz quando for tossir ou espirrar
  • Evitar ficar perto de pessoas que estejam gripadas ou resfriadas
  • Utilizar máscaras quando em ambiente com outras pessoas

 


 

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

– Ministério da Saúde https://saude.gov.br/

– Fundação de Otorrinolaringologia https://forl.org.br/

– Associação Brasileira de Otorrinolaringologia https://www.aborlccf.org.br/

Compartilhar nas rede sociais
Share on Facebook
Facebook
Pin on Pinterest
Pinterest
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Tags: