Fale conosco pelo WhatsApp

Sinusectomia

A cirurgia para sinusite é um procedimento que consiste na desobstrução dos seios faciais, evitando o acúmulo de secreções e muco na região

Indicada para pacientes com histórico de sinusite de repetição, sinusite crônica, polipose nasal e alguns casos de tumores de nariz, a sinusectomia é uma intervenção cirúrgica que consiste na desobstrução dos seios faciais. O objetivo do procedimento é evitar o acúmulo de secreções na região, impedindo assim a inflamação e infecção dos seios nasais que são características da sinusite.

Embora seja muito eficiente em seu objetivo de desobstruir os canais naturais de drenagem dos seios faciais, a sinusectomia não necessariamente representa a cura para a sinusite crônica. Na maioria dos casos, a intervenção é feita para permitir que os medicamentos de uso nasal consigam chegar até os seios nasais e aliviar as inflamações de maneira mais rápida e eficiente, ajudando no alívio dos sintomas e no tratamento geral da condição.

Entenda o que é a sinusite

A chamada sinusite consiste na inflamação dos seios paranasais — que são espaços ocos e recobertos por mucosa, localizados na região dos olhos, testa e maçãs do rosto. Processos inflamatórios e alérgicos podem fazer com que a área seja atingida por processos infecciosos que levam à obstrução desta via de drenagem natural para o nariz, resultando em congestão nasal, dor facial, sensação de peso na face ou dentes, tosse crônica e surgimento de secreção espessa e amarelada.

A doença pode se manifestar de forma aguda ou crônica, de acordo com suas causas e características. A sinusite aguda pode ser desencadeada por alergias ou resfriados, por exemplo, tem curta duração e pode desaparecer sem nenhum tratamento específico. A manifestação crônica, por sua vez, se prolonga por mais de 3 meses e pode estar associada a problemas anatômicos e doenças sistêmicas ou nasossinusais.

Qualquer pessoa pode ter sinusite, mas indivíduos que fumam ou têm alergias respiratórias são mais propensos ao problema, assim como aqueles com alterações estruturais como desvio de septo. Os sintomas são semelhantes na maioria dos casos, sendo que os principais são:

  • Obstrução nasal;
  • Secreção nasal ou faríngea de característica espessa;
  • Dor de cabeça;
  • Dor e sensibilidade no rosto ou dentes;
  • Mal-estar;
  • Cansaço;
  • Tosse;
  • Redução do olfato;
  • Alterações do sono decorrentes dos sintomas nasossinusais.

Diagnóstico da sinusite: quando procurar um médico?

A identificação da sinusite deve ser feita por um otorrinolaringologista, que se responsabiliza por avaliar o histórico clínico do paciente e fazer um exame físico com base nos sintomas relatados. Para a confirmação do diagnóstico, podem ser solicitados exames mais específicos, tais como endoscopia nasal, videonasolaringoscopia, tomografia computadorizada, teste de alergia e coleta das secreções do nariz.

Pacientes que têm sinusites recorrentes ou que apresentam sintomas persistentes devem procurar um médico especializado, com conhecimento específico não apenas para diagnosticar a doença, mas para apontar o tratamento mais adequado para o caso — seja ele medicamentoso ou cirúrgico. A automedicação não é recomendada, podendo até mesmo agravar o problema ou desencadear graves consequências.

Quando a intervenção é indicada?

Em geral, a sinusectomia é indicada para pacientes que apresentam episódios recorrentes de sinusite e para aqueles em que o tratamento medicamento já não é capaz de aliviar os sintomas da doença. A intervenção também pode ser recomendada nos casos em que a inflamação é decorrente de problemas anatômicos — como presença de pólipos nasais, desvio de septo e bloqueios ou estreitamento das cavidades orofaciais, por exemplo.

Nos casos em que a sinusite é mais grave e pode trazer complicações para a saúde e qualidade de vida do paciente, também pode ser recomendada a cirurgia para abrir os canais dos seios nasais e facilitar a drenagem das secreções. O procedimento deve ser sempre indicado por um especialista em otorrinolaringologia, que avaliará o caso de maneira individualizada e identificará as necessidades do paciente.

Uma vez que a sinusite é uma doença que se caracteriza pelo organismo não ser capaz de eliminar a secreção de forma natural, a sinusectomia é um procedimento que visa corrigir esse problema e fazer com que os seios faciais permaneçam abertos para drenar possíveis acúmulos de muco. Além disso, a intervenção visa facilitar a penetração de medicações e de soro fisiológico, auxiliando assim na recuperação e prevenção de novos processos inflamatórios.

Como é realizada a sinusectomia?

A forma mais moderna de realizar a sinusectomia é por videoendoscopia, uma técnica que utiliza uma câmera acoplada no endoscópio para ajudar o cirurgião a visualizar os seios faciais sem a necessidade de fazer uma incisão externa. O procedimento é feito com o paciente anestesiado e em ambiente hospitalar, sendo totalmente realizado a partir das narinas, com auxílio do endoscópio.

O objetivo da cirurgia é identificar os canais estreitos que conectam os seios ao nariz, ampliar esses canais e melhorar a drenagem da região. Dependendo do caso, pode ser necessário aliar a sinusectomia a procedimentos adicionais, como septoplastia ou a turbinectomia. Caso o paciente apresente polipose nasal, lesões suspeitas ou tumores, essas formações são removidas durante a intervenção e enviadas para análise patológica.

Cuidados pós-operatórios e recuperação cirúrgica

A recuperação da sinusectomia é relativamente rápida e os principais cuidados pós-operatórios são focados na melhora da cicatrização e minimização de sintomas. Alterações como dor facial leve, pequenos sangramentos e obstrução nasal são consideradas esperadas nos primeiros dias, mas todos esses desconfortos podem ser administrados por meio de analgésicos, anti-inflamatórios e limpeza nasal.

Alguns cuidados fundamentais durante a etapa de recuperação incluem:

  • Evitar tocar no nariz;
  • Lavar o rosto apenas com água fria;
  • Tomar todos os medicamentos prescritos pelo cirurgião;
  • Evitar o consumo de alimentos e bebidas muito quentes nos primeiros dias após a cirurgia;
  • Evitar exposição solar;
  • Lavar o nariz com soro fisiológico de forma abundante, conforme orientação médica;
  • Não praticar exercícios físicos até a liberação médica.

As complicações da cirurgia para sinusite são raras, especialmente quando o procedimento é conduzido por um profissional capacitado e o paciente segue todas as recomendações pós-operatórias. Apesar disso, pode ocorrer sangramentos, infecções e até mesmo lesões na região. O acompanhamento clínico nos meses seguintes à cirurgia é fundamental para identificar possíveis intercorrências.

Para saber mais a respeito da sinusectomia, tirar suas dúvidas e descobrir se este procedimento é recomendado para seu caso, entre em contato e agende uma consulta com os profissionais da Rinoclínica.

Fontes:
Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial.